Desafio Mundo Perfeito – Aceite

matheus

Nascer, ser criança, brincar, crescer, viver a adolescência, estudar, badalar, casar, realizar-se profissionalmente, ter filhos e viver feliz para sempre. Esse é o sinônimo da busca constante pela felicidade. Cumprir todos os ritos impostos desde os mais primórdios tempos.

Não há dúvidas que todo ser humano quer ter uma vida repleta de alegrias e realizações. Mas será mesmo que a felicidade é uma regra que deve seguir a linha do tempo? Será mesmo que a felicidade é uma fórmula universal que funciona para todos os tipos de pessoas e estilos de vida? Será que eu quero casar e ter filhos? Será que quero ser feliz pra sempre? Não! Eu sou a ovelha-negra da família e da sociedade em que vivo, quero fugir dos ritos, rótulos, tradições, convencionalismos e tudo que me diga como devo prosseguir.

O ser humano tem mania de generalização e engana-se profundamente, cada pessoa encontra e sente a felicidade de um jeito singular, seria ignorância tentar resolver um problema de Pitágoras com a Fórmula de Bhaskara, exatamente assim é na vida, nem tudo cabe para todos.  Até aí tudo bem, pessoas distintas podem ter opiniões distintas, mas o problema vem à tona quando achamos que a nossa verdade é a verdade suprema e absoluta, quando nos tornamos fanáticos de nossos próprios ideais. É preciso compreender que eu gosto de A e fulano de C, que eu sou feliz casado e sicrano é feliz solteiro, que eu sou feliz na balada e meu amigo é feliz em casa, que meu irmão é feliz jogando videogame e eu futebol, que meu vizinho é feliz gay e eu sou feliz hetero, assim por diante.

Parece uma estória meio batida e clichê, mas o que seria do branco se o mundo inteiro preferisse o preto? Na vida não existe regras nem generalizações, cada pessoa vive no seu universo, que pode sim, ser completo e absurdamente diferente do meu. Lembre-se do grito da revolução francesa: “Liberdade, igualdade e fraternidade.” Esse seria o mundo perfeito.

Matheus Laurini

Desafio Mundo Perfeito – Simples de Coração

Meu mundo perfeito é simples de coração.

Tem cheiro de mato e brinca na chuva
Tem gosto de quero mais e voz de “conta mais uma?”
Tem som de risada fácil e silêncio que não incomoda
Tem cor de arco-íris, cinema e conto de fada.
Tem auroras inspiradoras e poentes poéticos
Tem lugar para os crentes e até para os céticos

Tem luares ensolarados e Sol estrelado
Tem tempestades de ideias e ataques de riso com amigos ao lado
Tem sonhos melhores que os de qualquer padaria
Tem medos maiores que os piores pesadelos à luz do dia.
Tem imaginação fértil e medo de ser/ficar de várias formas estéril.
Tem vontade de voar, mas dá valor ao que teria que deixar.
Tem segredos inconfessáveis e desejos obscenos
Tem muito a aprender e a realizar, antes dos últimos acenos…

Tem, em seu Topos Uranos, milhões de defeitos e a consciência de que até eles a tornam única e importante para quem importa.

Para o resto fecha a porta.
Porque, perfeito, é o que está dentro. O resto é SIMPLES DECORAÇÃO!

 

Prof’s SA

profs

Desafio Mundo Perfeito – Só Nosso

Um mundo perfeito, bah! Por que perguntaram isso? Eu poderia dizer um mundo com paz, ou algo com crianças em um parque e o cheiro de churros no ar mas, não é assim meu mundo perfeito(exceto pelo cheiro de churros). Ele é sem crianças em parque, sem paz, e nem saberíamos o que é isso, porque nunca conheceríamos o oposto, só seríamos eu e você.

Nossa vida teria gosto de canela, as nuvens acima de nós teriam sabor de baunilha e você poderia me levar até elas (ou trazer o céu para mim) daquele jeito que só você e eu sabemos como. Não haveria mais ninguém e não seríamos eternos enquanto durássemos pois, seríamos apenas eternos…

No meu mundo perfeito, não teríamos nomes pois, só com meu olhar você saberia  quando estaria te precisando e vice versa… Poderíamos nos beijar na chuva e eu nem me preocuparia com os nós no meu cabelo, porque você iria gostar assim… A grama seria de cetim e a areia de camurça, daríamos nomes de sentimentos para as casas e dormiríamos em uma diferente toda noite, ou não… Você puxaria a ponta do meu cabelo só para me ver arrepiar, e depois procuraria maneiras diferentes de me deixar no mesmo estado (que eu tanto adoro), eu experimentaria as roupas que quisesse para você, e depois do show, deixaria que você as tirassem. Andaríamos nas ruas de mãos dadas,ou não pois, não haveria distancia, não teríamos como nos perder e seriamos só nós, eu convivendo com sua luxuria, promiscuidade e psicopatia, você com minha paranóia e inseguranças…

Mas para ser perfeito mesmo, não precisaria ter isso tudo. Poderia ser cheio de gente, pode ser como ele é agora, desde que você esteja nele. Esteja comigo. Com você, eu esqueço do resto, esqueço de tudo e largo tudo. Seríamos nós, contra o mundo, no nosso mundo perfeito… e que se dane o resto!

 Nora Cipriano

nora

Desafio Mundo Perfeito – Meu mundo Imperfeito

tamires

No meu mundo perfeito o céu seria verde. Pensando bem, verde não combinaria tanto com os raios do sol, então azul. Excelente. Teria lagos e riachos e por todo lugar flores, muitas flores, onde entre elas poderia correr até o infinito, deitar e ver o lindo céu estrelado, muitas estrelas. No meu mundo perfeito a lua estaria ao meu alcance e dançaria sob ela. Poderia voar.

Lá também tem árvores para se balançar, dormir, colher teus frutos, e se esconder da chuva. Ah! A chuva! Gotas de água iguais aos do meu riacho que cairiam do céu, mataria minha sede e refrescaria meu enorme jardim de deslumbrantes flores.

Existiria amor, algo que inventei para que cada pessoa, raças e nações se importassem uns com os outros sem saber o porquê, apenas queria ver o teu próximo bem. Lá no meu mundo perfeito tem alguém que sempre me faz sorrir, e com o mesmo alguém todos os dias apreciaria meu gracioso céu.

Tudo isso me parece maravilhoso, o ápice do impecável. Mas não seria apenas “meu mundo perfeito”, mas sim “nosso”.

Todos esses detalhes que belos são, pena não existir. Ou sim, existem, apenas não temos a capacidade de observar tal perfeição.  Lamentável ver que algo maior que eu já criou meu mundo perfeito, apenas não tive tempo para perceber pois, provavelmente estava escondida atrás de paredes e telhados, compromissos e atrasos, entre a inveja e o egoísmo.

Notei que o céu já é azul, olhei pra ele e vi estrelas, tirei alguns minutos do meu dia para contemplá-las, mas o brilho da maioria é ofuscado pelas luzes da cidade. Meus lagos e riachos estão prejudicados por algo que costumam chamar de “sobras”. As flores existem, mas são tão poucas. Alguns não podem correr entre esta escassa quantia de flores, e outros se preocupam em sujar seus cabelos ao deitar e admirar o céu.

O que me deixa contente, é saber que a lua está ao meu alcance, e ainda posso voar, é só fechar os olhos e acreditar. Todos os dias passamos por aquele “alguém” que sempre nos faria sorrir, mas nosso individualismo nos impediu de nota-lo. Quando a chuva cai, fechamos portas e janelas, quando deveríamos apenas nos molhar, e o amor, está praticamente abandonado.

Qual foi minha falha ao criar este universo magnífico? Prefiro acreditar que nada disso existe, e ainda estou vivendo no meu mundo perfeito…

 

 

Tamires Oliveira

Desafio Mundo Perfeito – Rebelião

antonio

Observo algumas coisas, como horizontes distantes e cada vez que eu olho percebo o quão distante parecem ser; então vem aquele sentimento de tristeza, me devorando por dentro como ácido, corroendo as minhas esperanças de futuro. Tento acreditar que algo vai se mover e deixo então nas mãos do destino, mesmo assim um gosto amargo me abarca e a sensação de algo inalcançável persiste…

Oh, mundo que precisa enxergar o sangue para perceber a dor, que se feriu, que infringiu a outrem um mal perverso…

Sensação de vingança, luta, revolta, indignação, passividade, frustração. Mas o que me guia é a sede de justiça, o enfrentamento, a adrenalina correndo nas minhas veias. Não. Nunca vou desistir, pois enquanto eu vejo braços cruzados e julgamentos, ouço o clamor mudo de quem não tem coragem, da mente pequena e do conformismo.

Estou pronto, sem armas e sem escudo mas, tenho minha voz e sigo para o campo de batalha. Vejo meus aliados e aqueles que se colocaram como meus inimigos. A voz da liberdade soou, mas eles virão nos calar, com ameaças dos que se dizem “mantenedores da ordem” mas, a marcha continua e o confronto é inevitável, eles querem nos parar, mas dominados por tantos clamores e pela sensação de união, sabemos que temos forças ao nosso lado que compartilham do mesmo desejo de mudança, isso me alavanca e todos continuam o cortejo para o empate.

Era esperado, porém, não importa, nem por um segundo importou, os que se proclamaram nossos inimigos; eles atacam, munidos de suas justificativas mascaradas. Começa o confronto, armas contra mão estendidas, xingamentos contra gritos de liberdade, bradamos por mudanças! A dor da carne, tiros e bombas, gritos de desespero! Por que estão nos batendo como cães sarnentos se queremos apenas sermos ouvidos, mostrar o que nos indigna? Não é sabido que a violência gera mais selvageria, contaminando todos como uma doença, apenas para revidar e revidar, nos aprisionando em um círculo onde nenhumas das partes ficam satisfeitas? Desperta em nós “seres humanos” o nosso lado primitivo, a irracionalidade nos domina, e não importa mais se luto com minhas mãos contra uma arma, se minha pele fica marcada por tiros covardes, justificados para manter uma falsa paz. Não importa se meu sangue escorre enquanto corro para me salvar, quero proteger meus amigos desnorteados em meio à confusão. Suor. Meu amigo chora enquanto diz que também foi espancado e seu braço pulsa como um coração no local onde um tiro o atingiu. Ao olhar sua expressão noto que suas lágrimas não são apenas de dor mas, de raiva, de repulsa. Ele queria gritar sua indignação mas, como todos, fora forçado a se calar. Ele não conseguia compreender por que a plateia que assistia virava o rosto e se alegrava ao ver que ele era espancado e ferido. O velho sadismo mórbido.

A confusão estava formada, descontrolada, pessoas agiam como animais, rangendo os dentes. Era o ápice de tudo, o olho do furacão, bombas de gás explodiam em nosso meio, sufocando nossas gargantas, queimando nossa voz. Nossos inimigos declarados nos cercaram, pessoas desmaiavam e corremos para socorrer porém, éramos represados pelos “Guardas da Ordem”. Tiros perpassavam e nos atingiam, nosso sangue derramava e manchava a rua. Olhei em volta e senti meu coração pesar, quem estava certo? O que viemos mesmo fazer aqui? Minha cabeça estava confusa, seria o gás que sufocava, embaralhava meus pensamentos ou a dor das fissuras das balas em minha pele, agora em carne viva, vermelho e roxo; onde estava a força da nossa voz? Calada, gritos desconexos, ações insanas dos nossos e deles, fora de controle, alguns perderam o foco, mas não os culpo, pois não se pode ser totalmente racional em uma guerra. “Nenhuma luta é em vão”, parecia a frase mais piegas para dizer naquele momento em que o mundo estava literalmente acabando. Sorri em uma mistura de tosse, o gás ainda pairava no ar.

Os ânimos foram se acalmando tanto do nosso quando do deles; dispersávamos lentamente e Eles nos olhava de soslaio, não estávamos fugindo, nosso recado já havia sido dado. Arqueamos nossa bandeira, xingamos até ficarmos roucos, gritando aos quatro ventos, não recuamos; enfrentamos de frente, extasiados pela sensação de remar em sentido contrario, a insatisfação é nosso combustível. A mudança começa com a luta, a ação refletida das nossas convicções, mas o mundo que criamos está preparado para ouvir a verdade, os anseios e desejos pessoais prevalecem ao desejo do todo. Será que hoje começamos a criar um novo mundo? Plantamos uma semente num solo de asfalto, ou um degrau para algo maior, ou até mesmo quando toda essa histeria acabar vamos nos lamentar das nossas ações… Isso só o tempo vai dizer, passei a mão em minha mochila e senti os furos em quase toda a cobertura, ela foi meu escudo com certeza. Olhei para a minha amiga que havia se sentado na calçada suja, ela olhava para a fumaça que ainda subia, parecia pensativa e estava intacta, mesmo estando no olho do furacão tempo suficiente para ser destroçada. Estava perfeita, até parecia sorrir. Já meu melhor amigo era o oposto, seu braço sangrava bastante, contudo não se importava com ferimento. Estávamos saciados por enquanto, agora éramos Anônimos que voltavam para casa depois de uma dose de revolução.

 

A. C. Fagundes

Desafio Mundo Perfeito – O mundo no olhar de uma criança

– Mãe,estou com sono mas, não consigo ir dormir.

– E porque não consegue ir dormir filha?

– Estou pensando nas coisas que vi hoje pela televisão. Nas pessoas brigando nas ruas em busca de direitos. Quais direitos são esses? Quem é essa tal de Dilma que tanto falam que não nos representa? Porque ela não me representa? O que ela deve fazer para as pessoas não brigarem?

– Filha, que tal eu te contar uma história e, através dela responder todas as suas perguntas?

– Gostei da ideia.

 

– Era uma vez um pequeno pastor. Ele cuidava de suas ovelhas como quem cuidava de si mesmo. Ele era um bom pastor, pois, um bom pastor pensa em suas ovelhas como, quem pensa em si mesmo. Ele as protege, cria e educa.

As ovelhas são bem adeptas a hábitos. Se ensinares algo, aprenderão e, para que não voltem a repetir, devesse ensinar novos hábitos.

Ele gostava de a cada dia ensinar novas coisas a cada uma de suas ovelhas. Cada uma tinha o seu nome especifico e, eram bem obedientes.

As ovelhas são muito medrosas, assustam-se facilmente e ao mínimo sinal de perigo ou problema elas acabam pulando nos precipícios.

Quando há uma ovelha muito rebelde e fujona no rebanho o pastor costuma quebrar as pernas dela com o seu cajado. Durante o processo de cura o pastor carrega a ovelha em seu colo o tempo todo e lhe dedica uma atenção especial. E essa atenção faz com que a ovelha confie novamente em seu pastor e, não volte a fugir.

Um bom pastor não trata suas ovelhas como um mercado, pois ele não é um mercenário. Assim como um mercenário não é, um pastor.

As ovelhas pertencem ao pastor e, não ao mercenário, que na primeira recaída, foge de imediato por não saber tomar as devidas providencias.

As ovelhas confiam ao seu pastor sua segurança  e paz, carinho e refúgio, alimento e cura. E ele as confia sua vida, sua permanência ali.

Ele era um bom pastor e, como um bom pastor permaneceria ali até o fim dos seus dias.

joyce

– Mãe, precisamos de um bom pastor.

– Sim filha. Alguém que nos proteja. Que nos dê segurança, estabilidade, paz. Que apesar dos nossos medos, nos dê a certeza de que dias melhores estão por vir.

– E existe um bom pastor?

– Filha, eu não sei se existe um bom pastor mas, eu sei que existem boas ovelhas.

 

O mundo no olhar de uma criança pode ser bem mais mágico do que um de um adulto mas, isso não significa que não seja real.

Um pastor pode ser o responsável pelo seu rebanho mas, um rebanho inteiro é tão forte ou, até mais forte do que ele!

 

Joyce Viana

Desafio Mundo Perfeito – Um novo mundo

Além do rio turbulento encontrei um mundo,

Em que minha alma fora refletida

Sob as margens de seus rios.

A atmosfera era a simplicidade,

Que não encontrei no outro mundo artificial.

.

Vi em cada aspecto da flora,

O florescer de meus sonhos

E o exalar de minha essência.

O tecnicolor dos biomas dali,

Me fizeram abdicar do velho mundo cinzento

Que deixei para trás…

.

O brado era apenas do silêncio,

E do silêncio eis o ser.

Eu era o único que desembarcara nesta nova terra,

E por ela decidi ficar.

Este é o meu lugar… Jamais pensaria em voltar…

 E.S Robert

es robert